sexta-feira, 21 de junho de 2019

Imersão em Capoeira Regional: Toque de Berimbau - Amazonas


            A Associação Capoeira na Escola passará a divulgar textos, vídeos e breves reflexões com o objetivo de instigar os questionamentos acerca da Capoeira Regional.
            Seguem abaixo algumas considerações sobre o toque de Amazonas.

- Em relação à origem do nome do toque, Mestre Nenel afirma que Mestre Bimba não deixou nada registrado e nem falava sobre as nomenclaturas que usava; mas, certamente, não foi uma homenagem ao Estado do Amazonas;
- Neste toque não há cantigas;
- Raramente era tocado, e as poucas vezes que Mestre Bimba tocava era para uma autossatisfação ou para jogo de capoeiristas veteranos, por ser um toque com uma cadência diferente, portanto, difícil de demonstrar uma harmonia entre jogadores e o ritmo;
- Não era toque exclusivo para jogo de formados (Iúna sim) e nem para recepção de convidados;
- Atualmente, há quem faça uso do toque para jogo com imitação dos movimentos dos animais da floresta amazônica, mas isso não faz parte do trabalho de Mestre Bimba;
- O toque do pandeiro é diferente dos demais toques da Capoeira Regional.



            Inscrições no link: http://bit.ly/capoeiraregional



sexta-feira, 14 de junho de 2019

Arraiá da Capoeira - 2019

A Associação Cultural Capoeira na Escola (ACCAES), em parceria com a Prefeitura Municipal de Biguaçu, por meio da Secretaria de Cultura, Esporte, Turismo e Lazer (Secetul), realizará o anual “Arraiá da Capoeira”. Trata-se de uma ‘roda junina’ cujo objetivo é a confraternização entre os praticantes e a sociedade com direito a dança da quadrilha, maculelê, capoeira, recreação, comidas típicas e ensaio aberto do boi-de-mamão.
            Este ano, o “Arraiá da Capoeira” será realizado no Centro de Artes Marciais (CAM), no dia 15 de junho (sábado), a partir de 15h. Traga algo para ajudar a compor a mesa e venha a caráter.  
           A participação é livre.


segunda-feira, 10 de junho de 2019

Imersão em Capoeira Regional: Centenário da obra de Mestre Bimba


Em 1918, Mestre Bimba começou a mostrar os primeiros traços de sua obra: a Capoeira Regional, considerada pronta por ele somente em 1928. Até então, a Capoeira era ensinada nas ruas, nos guetos, nos portos, nas festas de largo em que se aprendia olhando. Isso tudo em meio à proibição da prática prevista no código penal.
Já na época da ditadura oficial mais recente, em 1968, Mestre Bimba comemorava as cinco décadas de sua criação. Naquele momento, já havia testado e comprovado a sua metodologia em centenas de alunos; já havia lutado nos ringues para mostrar a eficácia de sua técnica; um disco com toques e cantigas já havia sido gravado por ele; Presidente do Brasil e Governador da Bahia já haviam assistido à Turma de Bimba se apresentar, e, graças a essas apresentações, a Capoeira foi descriminalizada. Portanto, de fato era necessário e justo comemorar o cinquentenário da Regional.
Por conta de Mestre Bimba, a Capoeira ganhou o mundo e se tornou Patrimônio Cultural da Humanidade. Hoje, são mais de 150 países que possuem aulas, treinos e rodas das mais diferentes Capoeiras; no Brasil, em qualquer cidadezinha, de qualquer estado, há alguém jogando ao som do berimbau; mas tudo isso só é possível pela saída da Capoeira do código penal conquistada por Manoel dos Reis Machado, o Bimba. Logo, nada mais apropriado que se comemore o centenário da Capoeira Regional, a obra fantástica de Mestre Bimba.
De forma extensiva às comemorações já ocorridas em Salvador, a Associação Cultural Capoeira na Escola propõe o encontro “Imersão em Capoeira Regional”, a ser realizado nos dias 26 e 27 de julho, em Florianópolis (SC), no SESC da Prainha, e no Espaço Cultural Aruandê, na Armação do Pântano do Sul.
Programação e inscrições no link: http://bit.ly/capoeiraregional


sexta-feira, 7 de junho de 2019

Atualização 2019 06 07


Próximas atividades

            Amanhã (08/06) é dia de roda do Projeto Capoeira na Escola. Será às 15h, na praça da pista de skate (próxima ao campo do Biguá). Em caso de chuva, a roda será no Centro de Artes Marciais (CAM).
            Já no dia 15 de junho, acontecerá mais um “Arraiá da Capoeira”. A roda com trajes típicos de festa junina será realizada no CAM, às 15h. Também haverá comidas típicas, quadrilha, maculelê e ensaio aberto de boi-de-mamão.




sexta-feira, 17 de maio de 2019

Imersão em Capoeira Regional


       As informações sobre Capoeira Regional, mesmo depois de 100 anos de sua criação, ainda são escassas e muitas vezes contraditórias. Particularmente, aqui em Santa Catarina o quadro é ainda mais dificultado devido a distância física que ocorre com aqueles que foram discípulos de Mestre Bimba – portanto, detentores do saber - e também pelo fato de serem praticamente inexistentes os trabalhos de grupos ligados à verdadeira Capoeira Regional.
        Pelo exposto acima e também por considerar de grande relevância os estudos de todas as vertentes e linhagens da Capoeira é que a Associação Cultural Capoeira na Escola promoverá no mês de julho (26 e 27) o encontro “Imersão em Capoeira Regional”.
    Os ministrantes serão: Mestre Nenel, hoje personalidade mais importante no resgate, manutenção e transmissão dos conhecimentos legados de seu pai, o Mestre Bimba; e a Mestra Preguiça, primeira lenço branco da Filhos de Bimba Escola de Capoeira.
        Haverá lançamento de livro, bate-papo, rodas, treinamento dos toques de berimbau (Banguela, São Bento Grande, Iúna, Santa Maria, Idalina, Amazonas, Cavalaria e Hino), da sequência e da cintura desprezada, no SESC da Prainha, e ainda roda e Noite do Conto no Espaço Cultural Aruandê, no Pântano do Sul.
         Está chegando a hora de tirar as dúvidas sobre a herança cultural de Mestre Bimba e imergir na Capoeira Regional. As inscrições são abertas a qualquer capoeirista de qualquer região.
            Inscrições no link: http://bit.ly/capoeiraregional



quinta-feira, 16 de maio de 2019

Atualização 2019 05 16


Festival: O Pulo do Gato - Resultados

            Seguem resultados do evento ocorrido no último sábado (11/05).








Biguaçu comemora 186 anos

            Dentro das atividades de comemoração pelo aniversário do município de Biguaçu, o Projeto Capoeira na Escola fará apresentação na próxima sexta (17/05), às 14h, na Avenida Marcondes de Mattos.



quinta-feira, 9 de maio de 2019

Atualização 2019 05 09


Festival: O Pulo do Gato

            No próximo sábado, acontecerá a 14ª edição do Festival de Acrobacias: O Pulo do Gato. Trata-se de uma iniciativa que visa ao estímulo dos treinamentos das acrobacias de Capoeira. A Associação Cultural Capoeira na Escola aproveita o momento para tratar com os alunos sobre a Abolição da Escravidão e seus desdobramentos.
            Esta atividade faz parte do calendário das comemorações do aniversário de Biguaçu organizado pela Prefeitura Municipal, por meio da Secretaria de Cultura, Esporte, Turismo e Lazer.




Encontro com o Historiador Peninha

            Quem é morador ou já passou pela Grande Florianópolis, certamente já ouviu as histórias das bruxas e outros seres folclóricos que fazem jus ao título de Ilha da Magia. A pessoa que foi a fundo nas pesquisas desse fascinante imaginário popular foi o lendário Franklin Cascaes. Entre seus discípulos, um dos mais conhecidos chama-se Gelci José Coelho, conhecido como Peninha.
            No próximo dia 18 de maio, integrantes da Associação Cultural Capoeira na Escola participarão de um encontro com o professor Peninha com o objetivo de aprofundamento sobre a cultura popular regionalizada, com destaque para o Boi de mamão e os contos e lendas.
            Na ocasião, Peninha autografará o seu livro “Narrativas absurdas: verdades contadas por um mentiroso”.
Conheça mais sobre o Peninha e Franklin Cascaes abaixo.











Reunião do Colegiado de Mestres

            O Colegiado de Mestres de Capoeira de Santa Catarina fará reunião em Camboriú, no próximo dia 25, tendo como um dos objetivos a organização de um encontro de movimentos de Salvaguarda de Capoeira de diferentes regiões do país.
            Como trabalhos centrais dos anos anteriores, em 2017, o Colegiado organizou uma Formação Continuada para Educadores de Capoeira em parceria com o IPHAN e UFSC, e em 2018, foram realizadas reuniões abertas com temas diversos em várias cidades do estado.






quinta-feira, 11 de abril de 2019

Atualização 2019 04 11


Rodas

Convidamos os alunos (crianças, jovens e adultos) e familiares para a nossa roda de Capoeira que acontecerá no próximo sábado (13/04/19), na praça da pista de skate (perto do Campo do Biguá), às 15h. Em caso de chuva, a roda acontecerá no Centro de Artes Marciais, Biguaçu.
Já no dia 18 (próxima quinta), será a vez da tradicional Roda da Vela, que acontecerá na Associação dos Moradores do Bairro Tijuquinhas (Asmobati), às 20h, somente para jovens e adultos.


terça-feira, 19 de março de 2019

Atualização 2019 03 19


23º Aniversário do Projeto Capoeira na Escola

Convidamos os alunos, familiares e amigos para participarem da roda em comemoração ao 23º Aniversário do Projeto Capoeira na Escola. Será às 15h, do dia 23 de março (sábado), no Centro de Artes Marciais (ao lado do Brasil Atacadista).
Na ocasião, serão informados pontos importantes sobre o Projeto em 2019.
Solicitamos a colaboração de um prato (de salgado ou doce) para ajudar a compor a mesa que será servida após a roda.
Contamos com a participação.



Somos contra a Discriminação Racial

No próximo dia 21 de março será celebrado mundialmente mais um Dia Internacional de Luta contra a Discriminação Racial. A Capoeira como meio de levar a consciência do respeito à diversidade se faz muito necessária em tempos de ressurgimento de massacres baseados em eugenia incitados por discursos de ódio de líderes mundiais.



Relato sobre o treino de graduados
Por: Mestre Tuti

Em 1994, já com cinco anos de Capoeira, entrei na Faculdade de Educação Física (Udesc). Foi um momento de muita alegria, por ter conseguido a vaga saindo de uma escola pública, mas também de incerteza em relação aos treinos. Como eu trabalhava durante o dia e à noite estaria estudando, fiquei sem horário de treino coletivo durante a semana.
Pelo fato de haver interesse também de outros alunos graduados de treinarem mais tarde, Mestre Pop abriu o horário das 22h, na Academia Companhia Aeróbica, Centro de Floripa, ao qual sou grato até hoje. Eu saia da Faculdade em Coqueiros, de bicicletinha, passava por baixo da ponte Pedro Ivo, com o vento sul ajudando ou empurrando contra muitas vezes, e ia encontrar os amigos e o Mestre para mais um treino. Sempre depois da meia noite, pedaladas para voltar para a Procasa e recomeçar um outro dia.
De lá para cá, são vinte e cinco anos ininterruptos de treino nesse horário. Depois de mim, muitos outros graduados também precisaram desse momento para poder aliar trabalho-faculdade-treino.
Da necessidade ao hábito, tenho orgulho de estar treinando e proporcionando treino a quem passa pela mesma situação que eu passei, afinal, “Deus ajuda quem treina na madruga.”.


segunda-feira, 4 de março de 2019

Atualização 2019 03 04

Reinício das aulas
A partir da próxima quarta (06/03/19), retornam as aulas nos núcleos atendidos pelo Projeto Capoeira na Escola, em Biguaçu.
Os locais de treinamentos serão os mesmos de 2018 (em breve publicaremos os horários e locais) e a matrícula dos alunos antigos está confirmada. Para alunos novos, as inscrições estão sendo realizadas nas escolas e na Secretaria de Cultura, Esporte, Turismo e Lazer (Secetul).
Seguem abaixo os horários com inscrições abertas do Centro de Artes Marciais (CAM) de Biguaçu.
Mais informações pelos fones: (48) 3285 3020 (Secetul) - (48) 98444 7439 (Prof. Corcel) – (48) 98411 5588 (Prof. Tarzan) – (48) 99613 2189 (Mestre Tuti)


Cronograma de atividades 2019
Segue cronograma de atividades da Associação Cultural Capoeira na Escola para 2019. A próxima atividade externa será no 23º Aniversário do Projeto Capoeira na Escola, no dia 23 de março, às 15h, na Praça Central de Biguaçu.


sexta-feira, 15 de fevereiro de 2019

Atualização 2019 02 15

Roda de Verão: fotos
Seguem as fotos da roda de verão do Projeto Capoeira na Escola pelas lentes profissionais da equipe Dudu na Festa.

Clique para ver o álbum completo

Capacitação em Itajaí
No último dia 06 de fevereiro, os professores da rede municipal de ensino de Itajaí (SC) receberam capacitação do Professor Marcelo Cruz (Corcel), licenciado em Educação Física. O tema foi o ensino de Capoeira, Maculelê e Puxada de Rede nas escolas públicas.























Lançamento de livro em Santa Catarina
Recentemente em Salvador (Bahia), Mestre Nenel lançou o livro: Mestre Bimba – Um século de Capoeira Regional. No mês de julho de 2019, Mestre Nenel fará o lançamento em terras catarinenses. A atividade é uma proposta do Projeto Capoeira na Escola que contará também com palestra, rodas e treinos de Capoeira Regional.
Em breve, mais informações.


sexta-feira, 1 de fevereiro de 2019

Atualização 2019 02 01

Roda de Verão

    A Piedade é um bairro de Salvador (Bahia) com uma bela praça e que ficou eternizada no corrido cantado por Mestre Gildo Alfinete: “Quem quiser me ver, vá na Piedade amanhã...”
  Aqui, na Grande Fpolis, também existe uma Piedade, localizada no município de Governador Celso Ramos. O nome completo é Armação da Piedade, pois aquele local também teve uma armação baleeira de extração de óleo pelos escravizados no século XVIII. Inclusive existe ali um cemitério com centenas de ancestrais africanos e indígenas descobertos em sambaquis.
    Nesse espaço de grande importância histórica acontecerá a Roda de Verão do Projeto Capoeira na Escola. Será no próximo sábado (02/02), às 17h30, em frente à Igrejinha da Armação da Piedade. Participação livre.
  Antes da roda, acontecerá a reunião de graduados para avaliação das ações desenvolvidas em 2018 e projeção de 2019. Será no CAM (BIguaçu), às 14h30.



Colação de Grau

A Associação Cultural Capoeira na Escola parabeniza o Instrutor Axe (Lucas Silva) pela sua formatura em Licenciatura em Educação Física. A cerimônia de colação de grau aconteceu no dia 28 de janeiro, na Univali-Itajaí.


quinta-feira, 17 de janeiro de 2019

Atualização 2019 01 17


Bem vindo 2019       
O ano começou com muita energia para os integrantes da Associação Cultural Capoeira na Escola. Os treinamentos de adultos e graduados já foram retomados e, em breve acontecerá a reunião de avaliação de 2018 e de projeção para 2019.
Para as crianças, as ações para efetivação da parceria entre a ACCAES e a Prefeitura Municipal de Biguaçu tiveram início e manteremos comunicação com as famílias assim que houver a concretização.
Já no início de fevereiro (data a confirmar), faremos nossa roda de verão, que este ano acontecerá na Praia da Igrejinha da Armação da Piedade. Esta atividade é aberta a qualquer interessado.

Registro I: Destaque em 2018
            Como forma de estimular os praticantes das diversas modalidades oferecidas pela municipalidade de Biguaçu, a Secretaria Municipal de Cultura, Esporte, Turismo e Lazer oferece anualmente um troféu de reconhecimento. Em 2018, o destaque ficou com Wendel Bezerra Nunes, que iniciou de maneira informal na Capoeira quando acompanhava os treinamentos das irmãs Wesla e Franciesla, que o levavam junto para que conhecesse a arte que elas praticavam na Associação dos Servidores do Município de Biguaçu (Asmub) com o Mestre Tuti.
Nessa época, o pequeno Wendel ainda tinha dois anos de idade. Começou a treinar formalmente quando completou cinco anos de idade. Dali para frente foi um desenvolvimento muito rápido, participando de várias competições de Capoeira e conquistando medalhas nos festivais Jogo de Ouro e Pulo do Gato.
Dificilmente Wendel falta aos treinamentos e rodas, o que faz com que seja acelerado o aprendizado dos movimentos e da musicalidade da Capoeira. Hoje, na 4ª corda da graduação infantil, crua e marrom-escuro, Wendel impressiona em todas as apresentações, rodas e eventos que participa pela técnica apurada e pelo carisma singular que possui.
Por tudo isso, a Associação Cultural Capoeira na Escola sentiu-se honrada em poder indicar o nome de Wendel Bezerra Nunes à homenagem concedida com o Troféu Cláudio Alvim Barbosa (Poeta Zinhinho) – 2018.

Wendel na parada de cabeça



















Destaques do esporte e da cultura

Registro II: Professor Corcel é conselheiro do CMDCA
O Secretário Municipal de Assistência Social e Habitação de Biguaçu, Marcelo dos Santos, no dia 12 de dezembro, em assembleia solene, deu posse aos conselheiros eleitos representando a sociedade civil e aos conselheiros indicados representando o governo municipal para a gestão do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Biguaçu (CMDCA), no período de 2018 a 2020.
Marcelo Barbosa Cruz, o professor Corcel, é o conselheiro que representa a ACCAES.

Conselho CMDCA


Texto: Salvador – A importância da Cultura e do Conhecimento
Por: Lucas da Silva (Instrutor Axe)

           Salvador é sem duvidas é uma referencia quando falamos em turismo, pessoas de todo o mundo escolhem a capital baiana como um lugar para curtir suas férias e se envolver na magia que aquele lugar transmite.
            Entre rodas de capoeira, acarajés e outras comidas típicas, pontos turísticos e praias paradisíacas, a cidade que foi a primeira capital do nosso país conquista a cada ano o carinho de cada pessoa que pisa naquele chão. Porém, como quase toda capital brasileira, tem suas contradições. É possível encher-se de axé pela energia dos pontos turísticos, e, alguns quilômetros ou metros mais distantes, ver uma realidade de pobreza, de guetos e comunidades normais em todo o país. E o choque entre esses dois pontos é o que procuro escrever neste texto.
            Salvador se destaca entre as capitais brasileiras pelo seu carinho com a memória. A cidade só é o que é graças àqueles que foram sequestrados e resistiram contra a escravidão através da cultura, luta e outros meios. E essa cultura de resistência, do povo que lutou através de pernadas, do canto, das músicas e diversas outras ações, que se recriou no Brasil, é o que dá vida à capital. Sem esse povo e seu modo de ser, talvez Salvador não fosse conhecida mundialmente como é. E este é o ponto em que queria chegar, alguns dos locais que guardam esta história e cultura: os museus.
            Próximo ao Centro Histórico de Salvador existem vários museus que mantém viva a história não só da cidade, mas como a do Brasil. Entre os que posso destacar por ter visitado estão o Museu afro-brasileiro da UFBA, a Casa do Benin, o Centro Cultural Solar Ferrão, Museu arqueológico da UFBA e o Museu Tempostal. Esses são apenas alguns fora outros que existem nas proximidades.
            Em cada um destes museus, a riqueza de informações sobre a cultura do povo africano e indígena que construiu esse país é impressionante. As explicações sobre o modo de vida, organização, tecnologia, religião, música e entre outros fascina qualquer um que entre nestes ambientes.
Já tinha uma leve noção de como as sociedades africanas eram avançadas através de algumas leituras sobre o Quilombo dos Palmares e a tecnologia que ali era utilizada, mas ver com os próprios olhos tantos artefatos e informações precisas me emocionou e ao mesmo tempo me trouxe uma indagação sobre um ponto que falei acima: o atrito entre a realidade do Centro Histórico de Salvador (que atrai tantos turistas) e a pobreza em grande escala da cidade.
            Essa inquietude se dá pelo fato de saber que mesmo os povos africanos tendo uma história de riqueza intelectual e cultural, hoje seus descendentes no Brasil estão em maioria em situação de pobreza, afastados de muitos conhecimentos que seus ancestrais construíram.
            Por outro lado, a história se repete, e o que um dia surgiu como luta dentro das senzalas, hoje acontece na periferia, onde a cultura mais uma vez surge como forma de resistência contra o descaso do Estado com a população que construiu esse país.
            O plano de separar os africanos não somente do seu local de origem, mas também da sua cultura foi a estratégia utilizada para tentar transformar essas pessoas em seres ignorantes e dependentes. Será que este plano continua hoje em dia?
            Será que as periferias brasileiras sofreriam tanto com problemas de saneamento básico, de moradias inapropriadas, problemas de saúde, fome, violência, e entre tantas adversidades, se o povo que é maioria nestes locais ainda tivesse uma ligação com sua cultura e tecnologia ancestral? Será que o povo dos guetos de Salvador tem acesso a todo conhecimento e informação existente nos museus (ou até ao Centro Histórico), ou um estrangeiro do outro lado do mundo tem mais facilidade a esses locais? Creio que vale a reflexão.
            Para uma melhor compreensão visite Salvador e conheça seus museus, o Centro Histórico nos dá uma aula de como valorizar nossa cultura, e obviamente, presenteia-nos com uma porção de reflexões e questionamentos sobre nós e nossa realidade brasileira.
Axé.